quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

A NOVA ERA DO JORNALISMO


O ano de 2018 foi negativo para os veículos de comunicação no Brasil. Com receitas caindo a cada mês, muitas empresas foram obrigadas a fechar suas editoras, pondo fim na circulação impressa de jornais e revistas.
Três grandes jornais foram fechados: Diário de São Paulo, A Cidade e Gazeta de Alagoas. Mais de 300 jornalistas foram demitidos em 2018. Nos últimos seis anos, houve mais de 7.000 demissões que afetaram profissionais da área de mídia, sendo que mais de 40% foram funcionários de jornais impressos e mais 20% de revistas impressas que deixaram de circular.
Com o aumento das redes sociais, a mídia impressa vem perdendo o seu valor entre os eleitores, consumidores e anunciantes, que estão imigrando para a comunicação digital. Outro fator que prejudicou as mídias impressas foi a televisão que, além de uma programação selecionada, oferece informações especificas sobre assuntos jornalísticos.

UMA NOVA COMUNICAÇÃO.

No mundo atual, foi criada uma nova forma de se relacionar e se comunicar com o mundo. Antes, era preciso dispositivos para cada tarefa que seria realizada, ou seja, fotografar e imprimir para depois divulgar. Hoje, se faz tudo com apenas um dispositivo que carregamos para todos os lugares, e que nos permite acesso à informação do mundo todo através da internet: o smartphone.

Fato & Fake, tudo muito rápido.

O acesso aos meios de comunicação é muito rápido e permite que qualquer pessoa produza conteúdo e o divulgue nas redes sociais. Assim, muitas informações não correspondem totalmente à verdade. Com isso, o papel do jornalista mudou. Hoje, os jornalistas estão se desdobrando para conseguir apurar essas informações “duvidosas”. A situação é tão séria que surgiram agências especializadas em checagem de fatos – as fact-checking agencies.
A divulgação de notícias falsas não é um procedimento inédito, pois na época da segunda guerra mundial muitos políticos mentiam em entrevistas. Mas, hoje em dia, muita coisa mudou.  Os políticos têm mais cuidados em suas entrevistas, pois nunca foram tão fiscalizados sobre suas ações como têm ocorrido nos dias de hoje.

SOBREVIVÊNCIA

Com avanço da tecnologia e com as comunicações online, ouviam-se boatos de que a mídia impressa seria extinta, já que o mundo seria tomado por dispositivos portáteis e tecnológicos capazes de revolucionar a comunicação. No entanto, depois de mais de uma década de adaptação à tecnologia, alguns veículos de comunicação estão mudando para a plataforma digital.  Os jornais e revistas, por exemplo, estão adequando seu conteúdo, fazendo o material que aparece na plataforma digital ser o mesmo veiculado em modelo impresso. Conseguiram se adaptar a essa nova era e ainda ganharam um dispositivo que promete oferecer ao leitor a mesma sensação de leitura obtida através do impresso.

Quais são as vantagens da mídia impressa?

Mesmo com a nova era, os materiais impressos dificilmente deixarão de existir. Alguns leitores têm o hábito de ler conteúdos impressos, por isso, a impressão do material continua sendo fundamental. O que faz dos impressos uma importante ferramenta de comunicação é a veracidade e a credibilidade das informações. No mundo digital, é praticamente impossível regularizar o conteúdo. Qualquer pessoa pode postar qualquer informação, sem analisar a precisão do texto. Além disso, uma informação armazenada eletronicamente pode ser modificada de uma maneira muito fácil. Já o impresso é palpável, com maior visibilidade e facilidade na memorização do conteúdo.
Por tudo isso, o Jornal Impacto se adequou ao digital, mas não deixou as suas origens impressas.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Copyright © JORNAL IMPACTO | Suporte: Mais Template