quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021

Justiça e desigualdade social

Há muitos anos, eu registro as desigualdades nas comunidades, assim como já participei de diversos projetos sociais. Tudo isso me deu alguns títulos, inclusive o de Comendador Social, considerado um dos mais significantes.

Foto: Luiz Martins

Recentemente, em uma "live" no YouTube, foi comentado sobre minhas premiações no PNUD da ONU, e me foi perguntado o que eu considero como a maior desigualdade nas comunidades no Brasil.

Foto: Luiz Martins

Eu considero como a maior desigualdade no Brasil, a "Justiça". A justiça tem bons olhos para quem tem um milhão e é cega para quem tem um tostão. O conceito de justiça deveria estar relacionado às desigualdades sociais, com ações voltadas para a resolução desses problemas.

Foto: Luiz Martins

Como conceito, a justiça social parte do princípio de que todos os indivíduos de uma sociedade têm direitos e deveres iguais em todos os aspectos da vida social. Mas, na realidade, não é bem assim que acontece.

Foto: Luiz Martins

No Brasil, o acesso à justiça é desigual. A desigualdade está relacionada às facilidades e disponibilidades que a população possui para acionar o Judiciário.

Enquanto a classe desfavorável não tem acesso a justiça, outras classes já privilegiadas não precisam responder pelos seus crimes.

No dia 24/2, a Câmara dos Deputados votou a admissibilidade da PEC 3/21 que determina que a prisão em flagrante de deputados e senadores só poderá ser decretada se estiver relacionada a crimes inafiançáveis listados na Constituição como racismo e crimes hediondos. Entre outras coisas, a PEC quer vetar a possibilidade de um ministro do Supremo Tribunal Federal decretar a prisão cautelar de um parlamentar. Na prática significa impunidade aos políticos.

Desigualdade de oportunidade significa desiguais condições de tratamento e discriminação. O nome disso é "Injustiça". (Por Luiz Martins) 

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021

Recreio, entre o rural e o urbano

Entre o rural e o urbano, Recreio dos Bandeirantes na zona oeste do Rio, pode se tornar uma área de interesse ambiental.

Foto: Luiz Martins

Recreio conta com muitas chácaras, sítios, ranchos e ainda é uma região que mantém a preservação do meio ambiente.

Preocupado com as construções desordenadas no bairro, o vereador Rogério Amorim quer que o Recreio torna-se uma área de interesse ambiental. O vereador Rogério Amorim (PSL) protocolou projeto que torna todo o bairro do Recreio dos Bandeirantes uma Área de Especial Interesse Ambiental. O projeto tem o escopo de desenvolver políticas e programas de proteção das condições do meio ambiente e preservar a qualidade de vida no bairro, que hoje tem mais de 80 mil moradores em cerca de 38 mil residências. A área do bairro da Zona Oeste, estimada em 32 metros quadrados, é conhecida no Brasil todo como local de rios, lagoas e florestas tropicais densas, além de grande extensão de praia.

Foto: Luiz Martins

Para o vereador, é óbvio que a cidade está crescendo rumo à Zona Oeste e é exatamente por isso que deve-se fazer um planejamento com sustentabilidade – com o objetivo de não diminuir a qualidade de vida.

Não queremos que a região deixe de se desenvolver, ter novas moradias e novo comércio, longe disso. Mas queremos que a riqueza em recursos naturais que valoriza tanto o bairro seja, sim, preservada – esclarece Rogério.

Um dos tópicos do projeto é justamente o de criar ferramentas para potencializar as características “verdes” da região.

Foto: Luiz Martins

Você pode criar atrações turísticas, por exemplo, nas lagoas, como acontece com a Ilha da Gigóia na Barra. Mas para isso não pode haver despejo de esgoto em rios e lagoas, senão não há turismo e geração de renda e empregos – diz. – E conter devastação de floresta é também uma forma de conter favelização e manter a valorização de imóveis no bairro. (Por Luiz Martins)

Fonte: Diário do Rio

O Rio que o Rio não merece

 A cidade do Rio de Janeiro cresceu em meio a seus cenários naturais, entre o mar e a montanha.

Vista do Pão de Açúcar - Foto: Luiz Martins

Suas belezas são admiradas, quando caminhamos pelas ruas e pelo Centro Histórico, pelo litoral ou contemplamos a Baía de Guanabara do alto dos mirantes.

Vista do Mirante Dona Marta - Foto: Luiz Martins

As grandes áreas verdes das reservas ecológicas, dos parques e jardins conduzem para um contato com a natureza carioca.

Vista do Aterro do Flamengo - Foto: Luiz Martins

A cidade do Rio de Janeiro é dona do maior parque urbano do mundo, o Parque Estadual da Pedra Branca.

Parque Estadual da Pedra Branca - Foto: Luiz Martins

Entretanto, a cidade, como a maioria das grandes metrópoles, enfrenta sérios problemas ligados às questões ambientais. São situações que atingem as diversas regiões do Rio, como a qualidade do ar, o saneamento básico e qualidade da água atual de consumo.

Vista do Alemão - Foto: Luiz Martins

A falta de tratamento da rede de esgotos, a grande quantidade de lixos e de entulhos diversos deixados pelos próprios moradores são outras causas que prejudicam a cidade. Problemas agravados pelo arranjo geográfico dos bairros e pela aglomeração populacional.

Rua da escola municipal em Bangu - Foto: Luiz Martins 

Boa parte dessas situações interliga-se não apenas ao caráter ambiental, mas às contradições sociais que incluem a questão das diversas favelas do Rio. Somado a tudo isso, ao longo de sua história, a cidade do Rio de Janeiro nunca enfrentou tantas crises  como tem enfrentado nos últimos anos. O Rio vive nos últimos 4 anos, o pior momento da sua história, causado pelos seus governadores.

Alemão (RJ) - Foto: Luiz Martins

O cenário atual da cidade não combina com o cenário de sua beleza. Ainda assim, a cidade do Rio sempre foi um lugar de criatividade e grandes oportunidades de desenvolvimento pessoal e econômico.

Praça Mauá - Foto: Luiz Martins

A cidade foi palco de dois grandes eventos, a Copa do Mundo em 2014 e os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016. Como legado, a cidade teve grandes obras de infraestrutura como a vitalização da Zona Portuária.

Rio Star - Foto: Luiz Martins

O VLT implantado no centro da cidade foi também um grande avanço de infraestrutura. O VLT é um transporte mais barato do que o metrô e é sustentável. O VLT foi implementado por Eduardo Paes com uma visão de futuro. Um projeto que deveria ser exemplo nos projetos de integração dos transportes públicos no Rio.

Zona Portuária - Foto: Luiz Martins

Faltam ações administrativas e implementação de políticas públicas por meio de projetos que promovam maior consciência no trato desta cidade tão bonita. (Por Luiz Martins)

terça-feira, 16 de fevereiro de 2021

Parabéns aos Repórteres

16 de Fevereiro é comemorado o dia Nacional do Repórter.

A data homenageia os profissionais responsáveis por transmitir através dos meios de comunicação fatos e informações de interesse público. Todo o repórter é jornalista, mas não são todos os jornalistas obrigatoriamente um repórter.

Jornal Impacto

O repórter é um cargo que pode ser ocupado por um profissional habilitado, para desempenhar a comunicação social por meio das mídias.

A principal tarefa do repórter é a cobertura de pautas e notícias, com investigação profunda dos fatos, entrevistas e produção de um texto explicativo, imparcial e direto para o leitor ou telespectador.

No mundo atual, foi criada uma nova forma de se relacionar e se comunicar com o mundo. Antes, era preciso um profissional para cada tarefa que seria realizada, ou seja, investigar, fotografar e imprimir para depois divulgar. Hoje, se faz tudo com apenas um dispositivo que carregamos para todos os lugares, e que nos permite acesso à informação do mundo todo através da internet: o smartphone.

RESPONSABILIDADE.

A diferença entre um veiculador de notícias e um jornalista/repóter é que este não transmite somente fatos, ele leva ao conhecimento dos leitores os males praticados contra o povo como o descaso em relação aos direitos e deveres dos cidadãos.

Jornal Impacto

Todas notícias devem ser tratadas dentro dos princípios da conduta ética e profissional, tendo como objetivo principal oferecer boa qualidade de informação e satisfazer aos eleitores com conteúdos verdadeiros.

Aos repórteres, nossos reconhecimentos e considerações!

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2021

Pequenas atitudes que fazem uma grande diferença

Quando andamos pelo centro da cidade do Rio, o que mais encontramos são lixos, patrimônios quebrados e locais abandonados. Menos na rua Afonso Cavalcanti, número 13 no bairro Cidade Nova.

Praça na Rua Afonso Cavalcante, 13 - Foto: Luiz Martins

O porteiro do prédio do referido número, senhor Valter, reformou uma pracinha que fica em frente ao local, pintando os bancos, plantando flores, e deu outra vida a uma praça que poderia estar abandonada como tantas outras.

Foto: Luiz Martins

Pequenas atitudes como a do Sr. Valter, podem melhorar o visual e diminuir os impactos ambientais. Construir um modo de vida que mantenha o planeta saudável é o desafio de cada habitante da Terra.

Foto: Luiz Martins

Por isso, as ações devem ser contínuas e imediatas. Algumas medidas simples podem contribuir para manter recursos naturais e não poluir o local onde vivemos.

Foto: Luiz Martins

Atitude sustentável é fazer as coisas que preservem o meio ambiente e que melhora a vida das pessoas, é usar com responsabilidade os recursos naturais que são esgotáveis, como a água, por exemplo. Por tudo isso, o Jornal Impacto parabeniza o sr. Valter por esta bela atitude.  (Por Luiz Martins)

quinta-feira, 7 de janeiro de 2021

O melhor presidente de Banco Central do Mundo é brasileiro

Em um ano em que a pandemia afetou a economia em todos os países, Roberto Campos Neto é eleito "presidente do BC do ano" por revista inglesa. Campos Neto ganhou o prêmio na categoria principal, “Global e Américas”. O reconhecimento é dado às autoridades que conseguiram estimular o crescimento e estabilizar a economia, informa a The Banker.

Roberto Campos Neto.

No texto em que descreve os motivos da escolha de Campos Neto, a revista lembra que poucos países foram tão afetados pela pandemia do coronavírus quanto o Brasil e destaca que as projeções para o desempenho da economia melhoraram ao longo de 2020.

O FMI, que previa uma retração de 9,1% para o PIB brasileiro em 2020, passou a projetar queda de 5,8%, enquanto alguns analistas estimam uma contração ao redor de 4,5%. “Muito desse cenário esperançoso se deve ao trabalho do Banco Central do Brasil”, diz o texto.

À revista, Campos Neto afirmou que o crescimento econômico deve ser sustentável e levar em conta aspectos que não são usualmente considerados em modelos monetários e econômicos.

É a segunda vez que um brasileiro ganha esse prêmio. Em 2018, Ilan Godfajn foi escolhido o presidente do Banco Central do ano pela The Banker.

O desafio é fazer com que o sistema financeiro se adapte a tendências aceleradas pela pandemia, como a digitalização. “A sociedade tem demandado que o sistema financeiro seja mais sustentável e inclusivo”.

“Nosso objetivo é tornar o sistema financeiro brasileiro mais eficiente e moderno, e promover a democratização dos serviços financeiros”, afirmou Campos.

O sistema monetário do Brasil respondeu à crise adotando medidas sem precedentes e efetivas para garantir que a liquidez não desaparecera do sistema financeiro e tomou ações específicas para que empresas, especialmente as de pequeno porte, pudessem continuar a operar, disse Roberto Campos.

Fonte: InfoMoney 

terça-feira, 5 de janeiro de 2021

Nossa Senhora de Natividade - A Santa dos Milagres.

Em 13 de julho de 1967, o médico e advogado dr. Fausto de Faria, morador de Natividade, no estado do Rio de Janeiro, disse que tinha visto Nossa Senhora. 

Nossa Senhora de Natividade - Foto: Luiz Martins

No início, pensaram que o médico, muito conhecido e conceituado na cidade, estivesse enlouquecendo. Só depois da terceira aparição, na qual a Santa deixou em suas mãos uma pedra diante de diversas pessoas, começaram a acreditar nele. No total, Nossa Senhora teria sido vista cinco vezes pelo médico, dono do sítio onde atualmente fica o altar em homenagem à Santa de Natividade.

Portão de entrada para o Santuário - Foto: Luiz Martins

A partir de então, milhares de fiéis começaram a frequentar o local. Em função disso, o número de visitas a Natividade triplicou, e a cidade chegou a receber 40 mil visitantes em um único dia. Todos foram ao Santuário das Aparições de Nossa Senhora de Natividade, no chamado Sítio dos Milagres, onde a Santa apareceu pela primeira vez. Por isso, os romeiros fizeram do espaço um local de orações.

Milhares de pessoas visitam este local - Foto: Luiz Martins

No local, ainda existe uma nascente e a maioria dos fiéis à Santa diz que a água é milagrosa. Existe um espaço reservado para que as pessoas coloquem suas provas e seus testemunhos de milagres relacionados à Santa. A presença de Nossa Senhora também é lembrada em missas e orações na Igreja de Natividade.

Nascente da água milagrosa - Foto: Luiz Martins

No dia 8 de setembro é comemorado o Dia de Nossa Senhora da Natividade que, em outras palavras, significa o nascimento de Maria, mãe de Jesus Cristo. Esta celebração começou em Jerusalém, no século V. Acredita-se que a primeira festa em comemoração à Natividade de Nossa Senhora foi realizada na Basílica de Santa Ana, mãe de Maria.

O município de Natividade é banhado pelo rio Carangola, subafluente do rio Paraíba do Sul. Em tempos passados, o município foi chamado de Natividade do Carangola, e ainda o é por alguns moradores do local. 

Centro de Natividade - Foto: Luiz Martins

A cidade fica próxima das cidades de Itaperuna, Porciúncula, Tombos e Raposo.

Vale a pena a visita.

(Por Luiz Martins)

sexta-feira, 1 de janeiro de 2021

Prefeito do Rio reassume cargo com grandes desafios pela frente

Além da situação econômica, problemas da pandemia e na saúde, o prefeito Eduardo Paes terá que retomar as obras iniciadas por ele, e que foram abandonadas pelo prefeito Marcelo Crivella.

Eduardo Paes assina livro de posse.

Nesta sexta, 1° de janeiro, Eduardo Paes tomou posse pela 3ª vez como prefeito da cidade do Rio de Janeiro. Após fazer o juramento e assinar o livro de posse, Paes fez seu primeiro discurso como prefeito eleito, criticou a "herança perversa" da gestão anterior e disse que dará prioridade ao combate à corrupção e à recuperação econômica do município.

Paes já havia publicado 74 decretos no Diário Oficial, em um dos quais, determina investigações sobre o prefeito Marcelo Crivella, e outras medidas econômicas, como a suspensão de concursos públicos.

Sonhos e legados abandonados.

O que seriam centros de lazer para os moradores da Zona Oeste, passadas as Olimpíadas, foram abandonados pelo então prefeito, Marcelo Crivella. O legado não seguiu o seu destino. A falta de conservação atingiu, por exemplo, o Centro Aquático de Deodoro, na Vila Militar. A piscina, que teve grandes competições, possui atualmente diversas partes de suas paredes caídas e sofre com problemas estruturais, que ocorrem pela falta de conservação do local.

Piscina Olímpica de Deodoro.

Outra grande obra abandonada, o Parque Radical teve várias consequências do abandono das autoridades públicas.

Parque Radical - Deodoro.

O estacionamento tornou-se depósito de entulho e a vegetação tomou conta das rampas de acesso. A pista do Centro Olímpico, onde foram disputadas as provas de ciclismo BMX, está cheia de buracos e as rampas de acesso também foram tomadas pela vegetação.

Clínicas da família também abandonadas.

Além das clínicas que foram inauguradas e não tiveram manutenção pela prefeitura, muitas clínicas da Zona Oeste foram simplesmente abandonadas. Muitas delas já prontas para uso estão fechadas e tendo seus equipamentos roubados. Enquanto os moradores sofrem pela falta de atendimento e questionam por que as clínicas não estão funcionando.

Clinica da Família (Fechada) - Bangu. 

Bairros tradicionais e o descaso.

Bairros como Sepetiba, Praia da Brisa e Pedra de Guaratiba já são, há anos, explorados por políticos em época de eleição, e abandonados logo depois das campanhas eleitorais.

Tradicional coreto de Sepetiba.

Patrimônios públicos de uso da comunidade que deveriam ser preservados, devido não só ao alto custo de sua construção como também à preservação de importantes pontos turísticos da região para visitantes e moradores, são abandonados e trazem perigos à população.

Orla de Sepetiba.

O bairro de Sepetiba é um local histórico, de beleza única, que já foi considerado paraíso litorâneo, comparado até mesmo com a região de Búzios, e suas praias serviram como porto colonial para exportação de Pau-Brasil à Europa. Atualmente, vive sob óleos e esgotos.

Passeio pela Orla de Sepetiba.

Sepetiba, que já chegou a estar entre os maiores pólos pesqueiros do país, enfrenta a grande dificuldade dos pescadores locais. Seus moradores reclamam da falta de opção de lazer, pois até a tradicional orla está abandonada.

Outro bairro que também pede socorro é a Praia da Brisa. 

Praia da Brisa - RJ.

Localizada entre Sepetiba e Pedra de Guaratiba, Praia da Brisa era um dos mais belos parques à beira-mar da cidade, com os seus cataventos, chuveiros, pista de cooper, ciclovia, trailers diversificados e muito verdes. 

Yoga no pier da Brisa.

Porém, assim como Sepetiba, também foi esquecida pelos governos e hoje sofre com abandono.

Pedra de Guaratiba também sofre.

Não é de hoje que os moradores de Pedra de Guaratiba reclamam da falta de manutenção dos píers, que estão com as madeiras apodrecendo e com grande parte deles já caídas, deixando buracos nas passarelas.

Pedra Guaratiba - RJ.

O píer é importantíssimo para os moradores e grupos da terceira idade que utilizam esse espaço em seus passeios e atividades físicas.

Passear pelo pier, uma atração dos visitantes.

A prefeitura abandonou completamente esse patrimônio tão importante para o bairro. As queixas vão desde falta de iluminação até falta de segurança, pois mesmo caindo aos pedaços, algumas pessoas usam o local.

Pier caindo aos pedaços.

Proprietários de restaurantes estão tendo muita dificuldade para manter os seus estabelecimentos funcionando, por falta do seu principal ponto de lazer.

Eduardo Paes terá muito trabalho pela frente. 

(Por Luiz Marins).

sábado, 12 de dezembro de 2020

Uma brasileira entre as mulheres mais poderosas do mundo em 2020

Há uma brasileira entre as mulheres mais poderosas do mundo em 2020, segundo ranking publicado na última terça-feira (8/12) pela Revista Forbes. Andrea Marques de Almeida, diretora executiva de Finanças e Relacionamento com Investidores da Petrobrás, ocupa a 77ª posição, sendo o único nome do país a figurar na lista, que traz a chanceler alemã Angela Merkel em primeiro lugar. 

Andrea Marques - Reprodução/Forbes

Andrea é formada em Engenharia de Produção e tem MBA em Gestão e Finanças. Após 25 anos de carreira na mineradora Vale, Andrea assumiu o cargo na Petrobrás em abril do ano passado, para recuperar a credibilidade da estatal petrolífera em meio às acusações de corrupção investigadas pela operação Lava Jato. Entre os destaques de sua atuação, a executiva anunciou o programa de venda de ativos da Petrobrás, que tem previsão de arrecadação de cerca de US$ 30 bilhões. Ela já havia obtido a mesma colocação deste ano na lista da Forbes em 2019. 

Da luta contra a pandemia à reestruturação da política, essas influentes mulheres estão fazendo história.

As mulheres na 17ª lista anual da Forbes vêm de 30 países e pertencem a quatro gerações diferentes. A lista completa, com 100 nomes, conta com 10 chefes de estado, 38 CEOs e cinco celebridades. E, embora existam diferenças de idade, nacionalidade e função, essas mulheres estão unidas pela forma como usaram os recursos disponíveis para enfrentar os desafios de 2020. Muitas delas foram mundialmente aclamadas por suas respostas eficientes contra a Covid-19. Em um ano marcado por protestos e agitações políticas ao redor do mundo, poucas pessoas usaram de forma correta seu poder de influência. E essas mulheres são exemplos de excelência. (Por Luiz Martins)

Fonte: Forbes 

sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

UERJ - 70 anos de excelência

Em 4 de dezembro de 1950, surgiu a Universidade do Distrito Federal, atual UERJ, em um Rio de Janeiro que estava sendo urbanizado intensamente.

70 anos disseminando ensinamentos 

A UERJ é um novo conceito na educação brasileira, sendo uma das universidades mais pioneiras e inclusivas do país. Foi a primeira a implantar o sistema de cotas com muito orgulho, dando oportunidades a classes que não tinham chances anteriormente, atuando nas transformações da realidade brasileira. 

A UERJ, hoje em dia, é o símbolo da inserção social e igualdade entre as classes. Com um ensino de excelência acadêmica, a Universidade do Estado do Rio de Janeiro é reconhecida entre as melhores universidades do país.

História contada em livro. 

Atualmente, a UERJ possui 30 unidades acadêmicas, abrangendo a capital, Duque de Caxias, Petrópolis, Teresópolis, Nova Friburgo, Resende, São Gonçalo e Ilha Grande. Unidades que oferecem mais de 90 cursos de graduação, 60 de mestrado e 40 de doutorado, e também da educação básica promovida pelo Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira (CAp-Uerj), e dos cursos à distância, disponíveis por meio da sua integração ao Centro de Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro (Cederj).

Além de possuir o Hospital Universitário Pedro Ernesto (Hupe) e a Policlínica Piquet Carneiro (PPC), que são exemplos de saúde pública com inúmeras pesquisas e estudos, e estão sendo bastante relevantes no combate à Covid-19, sendo destaque nos jornais pela eficiência de sua equipe médica.

UERJ - Maracanã (RJ). Foto: Bruna Martins

Por tudo isso, a UERJ se consolidou como uma das principais referências em educação. E o Jornal Impacto aproveita a oportunidade para parabenizar a todos os envolvidos nesta universidade que assumiram o compromisso de fazer da UERJ uma das maiores universidades do mundo. (Por Luiz Martins).




Postagens mais antigas Página inicial
Copyright © JORNAL IMPACTO | Suporte: Luiz Martins