quarta-feira, 29 de dezembro de 2021

Festival Rio Bossa Nossa

Festival Rio Bossa Nossa. abre o verão carioca na praia de Ipanema. 

Rio Bossa Nossa volta à Ipanema com muita música e atividades ao ar livre - foto Carioca Entretenimento. 

Segunda edição do evento acontece entre os dias 30 de dezembro e 02 de janeiro e conta com uma programação gratuita que inclui música e esporte ao ar livre. 

O verão carioca de 2022 começa com muita música e atividades gratuitas na praia de Ipanema. Gênero musical genuinamente brasileiro, que surgiu no Rio de Janeiro na década de 50, a Bossa Nova continua ganhando adeptos. Reverenciar os grandes nomes deste importante movimento e trazer à luz novos artistas nacionais que carregam e ressignificam nossa essência musical é um dos objetivos da segunda edição do ‘Rio Bossa Nossa’. O evento gratuito acontece entre os dias 30 de dezembro e 02 de janeiro, justamente em Ipanema, onde tudo começou, nas areias de praia, em frente ao Jardim de Alah.

Roberto Menescal convida Cris Delanno. Theo Bial recebe Leila Pinheiro. 

Roberto Menescal e Cris Delanno voltam ao Rio Bossa Nossa, após estreia, em 2019. 

A programação contará com dois shows, um de abertura e um de encerramento, sempre no final da tarde e em um palco intimista. A direção musical é de Max Viana. No dia 30, quinta-feira, Roberto Menescal, um dos pioneiros do gênero, recebe Cris Delanno. A dupla volta ao evento após o sucesso do show na edição de estreia do festival, em 2019. Já no dia 02, domingo, é a vez de Theo Bial, cantor e compositor também carioca, de 23 anos, que traz a Bossa Nova e o samba como suas inspirações, receber Leila Pinheiro. 

Theo Bial é apaixonado pela bossa nova. O jovem cantor e compositor relata que “tocar no Rio Bossa Nossa vai ser uma honra imensa para mim. Poder tocar a bossa nova, a música que eu amo bem na praia de Ipanema, o epicentro de tudo, será incrível. Poder convidar a Leila Pinheiro, que é uma grande referência para mim, uma artista com tanta experiência, tanto talento, sensibilidade, vai ser a realização de um sonho para mim”. 

Theo Bial receberá Leila Pinheiro no dia 2 de janeiro na nova edição do Rio Bossa Nossa - fotos Leo Aversa / Divulgação.

“A Bossa Nova foi um movimento de libertação e mudança, sem necessariamente ter sido um movimento radical. Por isso há tanta identidade dos cariocas, conhecidos por serem despojados, boêmios, irreverentes. A Bossa Nova merece sempre ser homenageada, não por acaso uma das músicas mais tocadas do mundo é Garota de Ipanema”, comenta Emerson Martins, sócio-diretor da Carioca Entretenimento, responsável pelo evento.

Antes das apresentações principais, o pôr do sol será embalado pela artista Alice Citybossa. Além da música, práticas esportivas ao ar livre também fazem parte do DNA do ‘Rio Bossa Nossa’. Ipanema combina com futevôlei, frescobol, altinha, assim como diversas atividades voltadas ao bem-estar, e não poderiam faltar na programação. 

O evento promove também aulas e competições de futevôlei, vôlei, beach tennis, slackline, altinha e futmesa. O público também poderá participar de aulas fitness de yoga, body pump, spinning e cross training. Todas as atividades são gratuitas e acontecem em um espaço de 2 mil metros quadrados montados na praia.

O Rio Bossa Nossa segue todos os protocolos contra a disseminação da Covid-19 estabelecidos pela Prefeitura do Rio de Janeiro, que é parceira do projeto. Para acessar a arena do evento é obrigatório apresentar comprovante de vacinação. 

Confira a programação completa do Rio Bossa Nossa:

Dia 30/12 (quinta-feira)

07h: Power yoga, Crossfit
08h: Body pump, Crossfit
09h: Spinning
10h - 15h: Futevôlei, beach tennis, vôlei, futmesa
16h: Altinha
18h: Sunset com Alice Citybossa
19h - 21h: Show: Roberto Menescal convida Cris Delanno 

Dia 31/12 (sexta-feira)

07h: Power yoga, Crossfit
08h: Body pump, Crossfit
09h: Spinning
10h - 15h: Futevôlei, beach tennis, vôlei, futmesa
16h: Altinha
18h: Sunset com DJ Thiago

Dia 01/01 (sábado)

13h - 15h: Futevôlei, beach tennis, vôlei, futmesa
16h: Altinha
18h: Sunset com DJ Gabriel

Dia 02/01 (domingo)

07h: Power yoga, Crossfit
08h: Body pump, Crossfit
09h: Spinning
10h - 15h: Futevôlei, beach tennis, vôlei, futmesa
16h: Altinha
18h: Sunset com Alice Citybossa
19h - 21h: Show: Theo Bial convida Leila Pinheiro
 

SERVIÇO RIO BOSSA NOSSA

Local: Avenida Vieira Souto, praia de Ipanema, em frente ao Jardim de Alah.
Datas: 30 e 31 de dezembro; 01 e 02 de janeiro
Horário: das 7h às 22h
Classificação: livre
Entrada gratuita.

(Por Luiz Martins)

Fonte: LUPA Comunicação. 

sexta-feira, 3 de dezembro de 2021

Escola Técnica Estadual João Luiz do Nascimento - 40 anos dedicados ao ensinamento

A Escola Técnica João Luiz doNascimento é uma escola que se renova de acordo com as mudanças exigidas pelo tempo.  Ela acredita que seus alunos precisam ter uma metodologia de ensino moderna, levando em consideração as necessidades do mercado de trabalho atual.

ETEJLN - Foto Luiz Martins

Fundada no ano de 1981 como Colégio Estadual João Luiz do Nascimento, na época pertencente à Secretaria de Estado de Educação (SEEDUC-RJ), e reformulada em 1998, quando passou a ser mantida pela Fundação de Apoio à Escola Técnica (FAETEC) - órgão vinculado à Secretaria de Estado de ciência e tecnologia do Rio de Janeiro (SECTI-RJ).

A escola tem sido anualmente classificada entre as melhores instituições de ensino da Baixada Fluminense e entre as melhores escolas públicas fluminenses.

Mostra profissional - Foto: Luiz Martins

Localizada na Rua Luiz de Lima, 272, na cidade de Nova Iguaçu no estado do Rio de Janeiro, a ETEJLN é uma instituição estadual de ensino que oferece o ensino médio concomitante, subsequente e integradamente a cursos técnicos profissionalizantes. O ponto alto da ETEJN pode ser testemunhado em suas "mostras profissionais" realizadas todos os anos com os trabalhos de seus alunos.

Mostra profissional - Foto: Luiz Martins

Ao longo de sua existência, a ETEJLN desenvolveu e implantou diversos projetos no município de Nova Iguaçu. Entre eles, podemos destacar:

Meio Ambiente - Com apoio do Jornal Impacto, professor de educação física Paulão, apoio dos alunos da ETEJLN, foi desenvolvido e implantado o projeto "Plantando para Sobreviver", que teve como meta a plantação de árvores ornamentais e frutíferas de pequeno e médio porte em locais como escolas e vias públicas. Seu principal objetivo é a proteção do solo, recuperação do oxigênio e a neutralização dos gases de efeito estufa que agravam o aquecimento global.

Plantação de árvores - Foto: Luiz Martins
Acessibilidade - A ETEJLN foi uma das primeiras escola a adotar projetos de inclusão social como prioridade. Com apoio do diretor do Jornal Impacto, Luiz Gonçalves Martins, seu diretor Pedro William permitiu a construção adaptada para todas as salas de aula da unidade, como banheiros e rampas na entrada e na subida para o segundo pavimento. A iniciativa teve como objetivo aumentar a integração da pessoa deficiente com a escola, promover mais sociabilidade e despertar a atenção da opinião pública para quem não oferece estrutura adequada aos mesmos.

Rampa de acesso - Foto: Luiz Martins

Atualmente, vivemos um momento em que se procura construir uma sociedade aberta a todos, com respeito à diversidade e atendendo aos interesses de todos os cidadãos. O Jornal Impacto, através de seus diretores, tem divulgado matérias sobre acessibilidade. Nossa meta é apoiar quem merece, e todos nós somos merecedores de carinho, atenção e respeito.

Palestras sobre acessibilidade - Foto: Luiz Martins

A Escola Técnica Estadual João Luiz do Nascimento, em Nova Iguaçu, é uma referência, pois tem como conceito a integração social e o encara como um desafio a ser superado na construção de uma sociedade mais justa. (Por Luiz Martins). 

terça-feira, 23 de novembro de 2021

Semana da Saúde Ricardo Boechat

A Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro, em parceria com a BandNews FM Rio de Janeiro, realiza a 11ª edição da Semana da Saúde Ricardo Boechat. O evento começou nesta terça (23/11) e segue até quinta-feira (25/11) - o Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue. 

Ricardo Boechat - Foto: Luiz Martins

Além da coleta de bolsas de sangue, haverá diferentes serviços de saúde disponíveis para a população, como exame de próstata do Novembro Azul; vacinação contra a Covid-19 assim como testes rápidos; aferição de pressão e medição de glicose; testagem de sífilis, HIV, Hepatites B e C; testes de alergia e exame de detecção da hanseníase. 

Foto: Reprodução

Há também uma divulgação para conscientizar as pessoas sobre a doação de órgãos e tecidos e uma programação cultural para os participantes. 

O evento acontece no Largo da Carioca, no Centro do Rio de Janeiro, e as senhas já estão disponíveis no local. É importante levar um documento oficial com foto para os atendimentos. Os atendimentos são gratuitos e acontecem entre 8h e 16h. 

A Semana da Saúde é uma realização da Secretaria Estadual de Saúde do Rio, em parceria com a BandNews FM, e homenageia o eterno carequinha de todas as manhãs, o idealizador da campanha de doação de sangue entre os ouvintes. (Por Luiz Martins) 

sexta-feira, 19 de novembro de 2021

Dia da Consciência Negra e Cais do Valongo

O Cais do Valongo foi o principal porto de entrada de africanos escravizados na América Latina e se tornou, na época, ponto de encontro da comunidade negra no Rio de Janeiro, então capital do país.

Cais do Valongo - Foto: Luiz Martins

Localizado na Avenida Barão de Tefé, o Cais possui os únicos vestígios materiais da chegada dos africanos ao país, tais registros encontrados em 2011, durante escavações feitas nas obras de reforma da Zona Portuária do Rio de Janeiro.

Ao ser nomeado Patrimônio Mundial da Humanidade, em 2017, o Cais do Valongo foi colocado no mesmo patamar de outros lugares reconhecidos pela Unesco como locais de memória e sofrimento - como o Memorial em Hiroshima, no Japão, pelas vítimas da bomba atômica e o Campo de Concentração de Auschwitz, local de extermínio de judeus na Polônia.

O Cais do Valongo é um local de memória que remete a um dos mais graves crimes perpetrados contra a humanidade, a escravidão. Por ser o porto de desembarque dos africanos em solo sul-americano, o Cais do Valongo representa simbolicamente a escravidão e evoca memórias dolorosas com as quais muitos brasileiros afrodescendentes se relacionam.

Desde 2012, acontece a Lavagem do Cais do Valongo, sempre no segundo sábado de julho. A Lei 5.820/2014 incluiu o evento no Calendário Oficial de Eventos e Datas Comemorativas da Cidade do Rio de Janeiro.

“A Lavagem do Cais do Valongo é uma celebração à ancestralidade dos afro-brasileiros, realizada por entidades da cultura e de matrizes africanas. É um ato de respeito aos milhões de seres humanos, trazidos à força da África, para serem violentados em solo estranho. É um momento de reflexão quanto às contribuições dos nossos ancestrais à cultura do Brasil, um momento de luta pela reparação por tanto suor e lágrimas vertidas pelos negros escravizados”, afirma o presidente do Instituto da História e da Cultura Afro-brasileira, Pedro Paulo Nogueira.

A  escravidão deixou marcas profundas de desigualdade social entre brancos e negros e um racismo estrutural nem sempre reconhecido, mas sempre velado. Que possamos olhar para o nossa história, aprender com ela e não repetir os erros absurdos dos antepassados. (Por Luiz Martins)

quinta-feira, 30 de setembro de 2021

RFFSA - 64 anos de história

Uma bela homenagem da Associação Brasileira da Indústria Ferroviária (ABIFER), feita a Rede Ferroviária Federal S.A., no dia 30 de setembro, dia do ferroviário. A RFFSA, foi a mais importante empresa de transporte ferroviário, que ajudou no desenvolvimento brasileiro. 

A Rede Ferroviária Federal Sociedade Anônima - RFSSA, era uma sociedade de economia mista integrante da Administração Indireta do Governo Federal, vinculada funcionalmente ao Ministério dos Transportes. 

Central do Brasil, antiga sede da RFFSA - Foto: Luiz Martins

A RFFSA foi criada mediante autorização da Lei nº 3.115, de 16 de março de 1957, pela consolidação de 18 ferrovias regionais, com o objetivo principal de promover e gerir os interesses da União no setor de transportes ferroviários. Durante 40 anos prestou serviços de transporte ferroviário, atendendo diretamente a 19 unidades da Federação, em quatro das cinco grandes regiões do País, operando uma malha que, em 1996, compreendia cerca de 22 mil quilômetros de linhas (73% do total nacional). 

Em 1992, a RFFSA foi incluída no Programa Nacional de Desestatização, ensejando estudos, promovidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES, que recomendaram a transferência para o setor privado dos serviços de transporte ferroviário de carga. Essa transferência foi efetivada no período 1996/1998, de acordo com o modelo que estabeleceu a segmentação do sistema ferroviário em seis malhas regionais, sua concessão pela União por 30 anos, mediante licitação, e o arrendamento, por igual prazo, dos ativos operacionais da RFFSA aos novos concessionários, Em 1998, houve a incorporação da Ferrovia Paulista S.A. - FEPASA à RFFSA, ao que se seguiu, em dezembro desse ano, a privatização daquela malha. 

A RFFSA foi dissolvida de acordo com o estabelecido no Decreto nº 3.277, de 7 de dezembro de 1999, alterado pelo Decreto nº 4.109, de 30 de janeiro de 2002, pelo Decreto nº 4.839, de 12 de setembro de 2003, e pelo Decreto nº 5.103, de 11 de junho de 2004. 

Sua liquidação foi iniciada em 17 de dezembro de 1999, por deliberação da Assembléia Geral dos Acionistas foi conduzida sob responsabilidade de uma Comissão de Liquidação, com o seu processo de liquidação supervisionado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, através do Departamento de Extinção e Liquidação – DELIQ. 

O processo de liquidação da RFFSA implicou na realização dos ativos não operacionais e no pagamento de passivos. Os ativos operacionais (infra-estrutura, locomotivas, vagões e outros bens vinculados à operação ferroviária) foram arrendados às concessionárias operadoras das ferrovias, Companhia Ferroviária do Nordeste - CFN, Ferrovia Centro Atlântica – FCA, MRS Logística S.A, Ferrovia Bandeirantes – Ferroban, Ferrovia Novoeste S. A., América Latina e Logística – ALL, Ferrovia Teresa Cristina S. A., competindo a RFFSA a fiscalização dos ativos arrendados. 

A RFFSA foi extinta, mediante a Medida Provisória nº 353, de 22 de janeiro de 2007, estabelecida pelo Decreto Nº 6.018 de 22/01/2007, sancionado pela Lei Nº 11.483.

Decreto Nº 6.769 de 10 de fevereiro de 2009 dá nova redação aos artigos 5º, 6º e 7º do Decreto Nº 6.018 de 22 de janeiro de 2007. (Por Luiz Martins) 

Fonte: Ministério da Infraestrutura 

quarta-feira, 29 de setembro de 2021

Uerj participa do relatório internacional sobre mudanças climáticas

UERJ tem participação inédita em relatório internacional que alerta sobre mudanças climáticas e ação do homem. 

Foto: Bruma Martins

O Sexto Relatório de Análise (AR6) do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), divulgado em agosto, trouxe dados alarmantes sobre a influência do ser humano na Terra, indicando possível colapso climático. 

O documento é resultado de um grande esforço colaborativo para a coleta de dados com a participação de centenas de cientistas de todo o mundo, dentre eles a professora Leticia Cotrim da Cunha, da Faculdade de Oceanografia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), que atuou como autora líder (lead author) do capítulo cinco, no seleto time de sete pesquisadores brasileiros envolvidos neste relatório.  

Professora Leticia Cotrim - Foto: divulgação.

De acordo com o documento, se a emissão de gases de efeito estufa não for reduzida, a marca de 2 graus Celsius de aumento da temperatura média do planeta será atingida ainda neste século, trazendo consequências graves como acidificação dos oceanos, elevação do nível do mar, aumento das ondas de calor, estiagens mais longas e invernos mais curtos, entre outras. 

O trabalho envolveu 234 autores principais, além de mais 517 colaboradores, de 66 países diferentes. O IPCC avalia o que está publicado na literatura científica e submete o conteúdo a uma revisão mundial. Cada capítulo possui autores-líderes responsáveis por realizar esse exercício de análise. “Os últimos três anos, que envolveram a preparação deste relatório (o sexto, em ciclos que duram de sete a oito anos), foram muito intensos. Avaliamos uma bibliografia com mais de 14 mil artigos para mostrar o que mudou no clima desde 2013, quando foi lançado o 5º relatório (AR5), o que ainda vai mudar, como e por quê”, explica Leticia Cotrim. 

Em relação aos relatórios climáticos anteriores, o novo AR se diferencia ao trazer dados conclusivos sobre a inequívoca influência humana no aquecimento global e mudança do clima na Terra com as emissões dos gases de efeito estufa, baseados nas múltiplas linhas de evidência: observações, modelagem numérica e estudos paleoclimáticos. O período de 1850-1900, compreendendo a era pré-industrial, é tido como base para definir a temperatura natural terrestre. A partir desse marco, o relatório analisa e oferece dados que definem a urgência em se estabilizar o aumento médio da temperatura do planeta. Leticia Cotrim destaca que, para haver mudança, “é necessário reduzir forte e rapidamente as emissões de todos os gases de efeito estufa”. Ainda assim, segundo ela, os resultados só seriam sentidos em 20 a 30 anos.  

Desde o lançamento da primeira análise do IPCC, em 1990, cientistas têm demonstrado e alertado que o caminho para se evitar o aumento do aquecimento global e as consequentes mudanças climáticas é a diminuição das emissões de CO2 (gás carbônico) e outros gases. No entanto, mesmo se todos os países aderirem imediatamente a políticas mais intensas nesse sentido, “algumas mudanças no clima já são irreversíveis no sistema terrestre, especialmente em relação ao aumento do nível do mar (incluindo a perda de geleiras) e à acidificação dos oceanos”, alerta a pesquisadora da Uerj.  

Ao longo dos três anos de preparação do relatório, houve reuniões presenciais de duração de uma semana – em junho de 2018, na China; janeiro de 2019, no Canadá; e agosto de 2019, na França. Por conta da pandemia de Covid-19, a reunião de julho de 2020 aconteceu de modo virtual. Durante esse tempo, foram lançadas três versões do texto, sendo duas revisadas por cientistas e uma revisada por representantes dos governos signatários. A versão final foi aprovada em plenário no mês de julho e divulgada em agosto. 

Impactos do Aquecimento Global.  

A pesquisadora Leticia Cotrim integrou o grupo de autores-líderes do Capítulo 5, que abordou os ciclos do carbono e outros ciclos biogeoquímicos. Foram analisados os três principais gases de efeito estufa – gás carbônico, metano e óxido nitroso – e seus aspectos em áreas continentais e oceânicas. A professora da Faculdade de Oceanografia ficou responsável pelos dados sobre o ciclo do carbono e nitrogênio no oceano.  

De acordo com Cotrim, mesmo com a atual temperatura de pouco mais de 1 grau Celsius acima da média em relação ao período de referência, as consequências para a América do Sul e o Brasil continental já podem ser observadas, como maior incidência de extremos de calor e aumento da precipitação na Região Sul. Os resultados também indicam frequência duas vezes maior de período de estiagem e três vezes maior de extremos de temperatura decenais.  

“Em cenários onde a temperatura alcança 4 graus Celsius acima da média, os eventos extremos podem ocorrer com muito mais frequência, chegando a quase 10 vezes mais extremos decenais de temperatura”, completa a professora. “Caso cheguemos a esse estágio, os efeitos serão graves e irreversíveis. Países como o Brasil, com grande concentração populacional em zonas costeiras, irão sofrer, além de tudo, com o aumento do nível do mar, que será capaz de varrer cidades inteiras do mapa.  

Conheça o relatório e o Atlas Interativo. 

O AR6 do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas pode ser acessado por todos os interessados, no site em inglês https://www.ipcc.ch/report/ar6/wg1/. Para contemplar os efeitos de cada região da Terra, consulte o atlas interativo.   

Os dados divulgados representam o relatório do primeiro grupo de trabalho do IPCC (WG I), que analisa a mudança do clima. Em fevereiro de 2022, será conhecido o relatório com as conclusões do WG II, abordando os impactos produzidos pela mudança do clima. E por último, ainda sem data de lançamento, o WG III, que terá foco na mitigação da mudança do clima.  (Por Luiz Martins)

Fonte: UERJ  

terça-feira, 28 de setembro de 2021

Rio de Janeiro terá a maior horta urbana do mundo

O Parque Madureira, na Zona Norte da cidade, terá a maior horta urbana do mundo, com 110 mil metros quadrados. Isso acontecerá pois o cultivo de hortaliças em terrenos pertencentes ao Poder Executivo da capital fluminense às margens da linha férrea que abrange o local será expandido. 

Parque Madureira - Foto: Luiz Martins

De acordo com a Prefeitura, o objetivo principal da iniciativa é gerar renda e segurança alimentar para cerca de 50 mil famílias, por safra, até 2024. Além disso, haverá um corredor verde de hortaliças ao longo do Parque Madureira até Guadalupe, em uma parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e com a Light, pois parte dos cultivos fica debaixo das torres da empresa. 

Parque Madureira - Foto: Luiz Martins

É bom a gente devolver essa subsistência pessoal, isso significa uma questão de agricultura urbana, que é um tema muito importante nos dias de hoje. Tem a ver com sustentabilidade social, com geração de renda para as famílias daqui. A gente tem que continuar valorizando esse espaço”, disse o prefeito Eduardo Paes. 

Parque Madureira - Foto: Luiz Martins

Outro ponto importante é que a nova horta recupera uma vocação agrícola histórica de Madureira e bairros vizinhos. Um memorial fazendo alusão aos antigos moradores do local – o ”Quilombo Agrícola Madureira” – será erguido na entrada da horta. Uma homenagem que atende a uma reivindicação do setor cultural da região. 

Skate no Parque Madureira - Foto: Luiz Martins

O Parque Madureira, com mais de 90 mil metros quadrados, foi inaugurado em junho de 2012 e é, desde então, uma das principais áreas de lazer da Zona Norte, atraindo atenção das pessoas interessadas em samba, skate, hip hop e charme, além de famílias e amigos que utilizam o espaço para praticar atividades físicas, caminhar, se encontrar ou contemplar a beleza do local. (Por Luiz Martins) 

Fonte: https:Diariodorio

quarta-feira, 15 de setembro de 2021

Além do Jardim

Os jardins têm a missão de conservar a diversidade das plantas, realizar atividades de pesquisa e educação ambiental. Um jardim é um local onde o valor multicultural das plantas são apreciados pelos visitantes. 

Jardim do Residencial Life - Recreio (RJ)

Quem passeia pelos jardins não imagina o trabalho que dá a sua conservação, e muitas vezes nem percebe o grande responsável que está cuidando das plantas. 

O Jardineiro é o profissional responsável por cuidar do jardim dos prédios, casas, empresas, parques, condomínios, escolas e etc. Um Jardineiro repara o solo, aduba a terra, rega as plantas, e poda as áreas ajardinadas em épocas determinadas. 

Jardim do Residencial Life - Recreio (RJ).

São responsabilidades dos Jardineiros: a manutenção da grama, cortar e regar, cultivar canteiros, plantar sementes, conservar áreas ajardinadas, adubar as áreas, removendo folhagens secas mantendo a limpeza, manter a estética, colocando grades ou outros anteparos conforme orientação, tudo isso é tarefa específica do Jardineiro. 

Jardim do Residencial Life - Recreio (RJ).

Para que o profissional tenha um bom desempenho como Jardineiro é essencial que ele seja dinâmico e que tenha conhecimentos básicos em relação o meio ambiente e espécies de plantas. 

Residencial Life - Recreio (RJ).

Entre esses profissionais, encontram-se os Senhores: Rodolfo, Carlos, Marcelo e Alexandre, que cuidam dos Jardins do Residencial Life, no Recreio dos Bandeirantes (RJ). Eles cuidam dos canteiros dos jardins do Life, renovando o visual e mantendo um ambiente saudável para os moradores. 

Rodolfo - Residencial Life - Recreio (RJ).

Além de cuidar dos jardins, suas atitudes melhora o visual e diminui os impactos ambientais. Construir um modo de vida que mantenha o planeta saudável é o desafio de cada habitante da Terra. 

Carlos - Residencial Life - Recreio (RJ).

Por isso, as ações devem ser contínuas e imediatas. Algumas medidas simples podem contribuir para manter recursos naturais e não poluir o local onde vivemos. 

Marcelo, Rodolfo e Alexandre - Residencial Life.

O papel das plantas na vida do ser humano tem uma importância fundamental, que precisa ser preservada.  O aumento da população, aliado às mudanças do ambiente impostas pelo próprio ser humano exercem grandes pressões sobre a atmosfera, ocasionando diferentes impactos sobre a natureza.  

Horta plantada e cultivada pelos Jardineiros do Life.

Precisamos valorizar os trabalhos dos jardineiros, e tomarmos consciência das atitudes que devemos ter com o ambiente em que vivemos. Às vezes, os pequenos gestos têm melhores resultados do que projetos mirabolantes que não levam a lugar algum. E, para que a nossa missão seja alcançada plenamente, compartilhe esta ideia. (Por Luiz Martins).

terça-feira, 31 de agosto de 2021

Metrô e SuperVia e os roubos de cabos

Metrôs e trens são os transportes urbanos mais seguros do mundo. Os metrôs e trens possuem grande capacidade de transporte de passageiros, maior velocidade, altos níveis de segurança e menor impacto ambiental. 

Central do Brasil.

Como funciona os  metrôs e trens? 

Em geral, os trens são programados para funcionar de forma automatizada. Em condições normais, equipamentos informatizados e circuitos eletrônicos fazem quase tudo sem a interferência humana, acelerando e parando os trens. Além do processo de tração, os sistemas envolvidos controlam portas, ares-condicionados, etc. 

Via permanente: 

A via Permanente é composta por Infraestrutura, Superestrutura, Sinalização de Vias, Entrelinhas e Entrevias, Dispositivos de proteção de vias (Sinais, Balizas, Captores, PA's), entre outros. 

Metrovia.

A infraestrutura ferroviária e metroviária basicamente se define como a base da ferrovia/metrovia, um conjunto de obras e técnicas que dão o alicerce a estrada de ferro. 

A superestrutura ferroviária e metroviária é definida como um conjunto de equipamentos, composto por: Tração: rede aérea (ferrovias) e terceiro trilho (metrovias). 

Metrovia.

Malha ferroviária/metroviária: Composta por trilhos, dormentes, lastro, sublastro, AMV’s, itens de fixação, que aplicados sobre a infraestrutura, oferece base e direcionamento para o trânsito das locomotivas, vagões, carros (vagões de passageiros) e equipamentos de manutenção sobre trilhos. 

Ferrovia.

Os sistemas que envolvem Metrô e Trens são os mais seguros em transportes urbanos.  Sistema ATP: (AutomaticTrainProtection) - Consiste em um nível elevado de controle da movimentação segura dos trens ao longo da via. 

Sinalização (Atribuições):

•Determinação de modo de controle do intertravamento (local, central, automático);

•Determinação de sentido de tráfego;

•Controle sobre máquina de chave;

•Detecção de ocupação de trechos de via (CDV - eurobalizas);

•Alinhamento e cancelamento de rotas;

•Geração e liberação de códigos de velocidades;

•Gerenciamento das atividades vitais e não vitais do trem. 

Dentro da hierarquia de um Sistema de Sinalização e Controle, cabe ao ATP, o controle seguro de todos os equipamentos instalados na via, subordinados a uma região de domínio de um Intertravamento Vital de rotas. 


Aliados ao ATP, outros sistemas como Computador de bordo (CBM) e Piloto Automático (PA) complementam as informações de segurança e funcionamento dos trens. 

Centro de Controle Operacional (CCO): 

O Centro de Controle Operacional, é onde todas as operações são monitoradas. No CCO, centralizam todas as informações que dizem respeito a ferrovia, desde dados da Via Permanente, como locais de manutenção e o estado da sinalização, até quantidade de materiais rodantes disponíveis, porém, sua função principal é organizar os trens, expedindo ordens de avanço e recuo. 

Roubos de cabos e suas consequências:

Quando há roubo de cabos, todos os sistemas ficam interrompidos, agravando a situação dos ramais, e os sistemas são operados através de comunicação via rádio, entre os controladores (CCO) e os maquinistas (pilotos), necessitando de ampliação dos intervalos entre os trens, inviabilizando a continuidade dos serviços em segurança da operação, colocando em risco os passageiros e todos envolvidos no sistema. (Por Luiz Martins).

sábado, 14 de agosto de 2021

Compartilhando boas ações

Neste sábado (14/08/21), a Associação Recanto do Recreio e o Life Residencial, em parceria com o HEMORIO, realizaram a coleta de sangue dos moradores e funcionários, na campanha "Toda boa ação deve ser compartilhada".

Foto: Luiz Martins

A doação de sangue é um gesto solidário dos mais belos do ser humano. Doar uma pequena quantidade do próprio sangue para salvar a vida de pessoas que se submetem a tratamentos e intervenções médicas de grande porte e complexidade,  como transfusões, transplantes, procedimentos oncológicos e cirurgias.

Foto: Luiz Martins

Além de pessoas que submetem a procedimentos e intervenções médicas, o sangue também é indispensável para que pacientes com doenças crônicas possam viver por mais tempo e com mais qualidade, além de ser de vital importância para tratar feridos em situações de emergência ou calamidades.

Foto: Luiz Martins

Um simples gesto de solidariedade que pode gerar muitos sorrisos. Faça sua parte, independentemente de parentesco entre o doador e quem receberá a doação. O sangue é insubstituível e sem ele é impossível viver. Por isso, o Ministério da Saúde reforça periodicamente a importância de os brasileiros adotarem a cultura solidária da doação regular e espontânea de sangue. 

Foto: Luiz Martins

Quais são os requisitos para doação de sangue? 

Podem doar sangue pessoas entre 16 e 69 anos e que estejam pesando mais de 50kg. Além disso, é preciso apresentar documento oficial com foto e menores de 18 anos só podem doar com consentimento formal dos responsáveis. Pessoas com febre, gripe ou resfriado, diarreia recente, grávidas e mulheres no pós-parto não podem doar temporariamente. 

Foto: Luiz Martins

Doar sangue é um ato de amor. Cada doação pode salvar a vida de até quatro pessoas. Mais uma brilhante atitude dos moradores e funcionários do Life Residencial. (Por Luiz Martins).

Postagens mais antigas Página inicial
Copyright © JORNAL IMPACTO | Suporte: Luiz Martins