quarta-feira, 9 de outubro de 2019

UERJ DISCUTE AGENDA 2030 PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Com o apoio do Centro Brasil para a Saúde Global (CBSG), no dia 8 de outubro de 2019, foi realizado, no Teatro Odylo Costa Filho, uma discussão sobre a AGENDA 2030. O objetivo foi promover debates em torno dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), plataforma multilateral da ONU para promoção de uma vida digna dentro dos limites do planeta.

Agenda 2030 - Foto: Luiz Martins
Tomando como eixo as questões cruciais ligadas ao meio ambiente, buscando as conexões com saúde, educação e justiça social, entre outros ODS. Foi colocada em foco a atuação da universidade na produção de conhecimento necessário à resolução dos problemas nas diversas áreas abarcadas pela Agenda 2030, que propõe a indivisibilidade das dimensões econômicas, sociais e ambientais do desenvolvimento.

Apresentação da Agenda 2030 - Foto: Luiz Martins
Na parte da manhã, a partir das 10h, houve uma introdução a esses temas pelo professor Eduardo Faerstein, do Instituto de Medicina Social (IMS), seguida de mesa-redonda com o reitor da UERJ, Ruy Garcia Marques, o presidente da Academia Brasileira de Ciências (ABC), Luiz Davidovich, a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima, e a representante da ONU, Roberta Caldo. A mesa foi coordenada pelo professor Israel Felzenszwalb, do Instituto de Biologia Roberto Alcantara Gomes (IBRAG).

Na mesa-redonda da tarde, a discussão foi coordenada pela professora Leticia Cotrim, da Faculdade de Oceanografia (FAOC) e contou com a presença dos estudantes de Oceanografia da UERJ, e de pesquisadores que apresentaram o quadro de suas áreas em relação aos ODS: Elisa Reis (socióloga, UFRJ), Paulo Gadelha (Ciência & Tecnologia, Fiocruz), Eduardo Faerstein (epidemiólogo, UERJ) e Mercedes Bustamante (ecóloga, UnB).

Foram discutidos os principais Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, dando ênfase aos temas e questões que o Sistema ONU/Brasil considera relevantes no âmbito do processo de implementação dos ODS 1, 2, 3, 5, 6, 7, 9, 10, 11, 12, 14 e 15 no Brasil. 

Durante o evento foi destacado o ODS-10 Redução das Desigualdades. Como as instituições poderão atuar para progressivamente alcançar e sustentar o crescimento da renda dos 40% da população mais pobre a uma taxa maior que a média nacional. O que fazer para garantir a igualdade de oportunidades e reduzir as desigualdades de resultados, inclusive por meio da eliminação de leis, políticas e práticas discriminatórias e da promoção de legislação, políticas e ações adequadas a este respeito.


Desigualdades no município do Rio de Janeiro - Foto: Luiz Gonçalves Martins - ODS 10
Falou-se também sobre o ODS-9 Indústria, Inovação e Infraestrutura. O que deverá ser feito para garantir uma rede de transporte público e infraestrutura urbana de qualidade, com condições necessárias para o desenvolvimento sustentável. Como promover a eficiência energética e inclusão social. O progresso tecnológico é também uma das chaves para as soluções dos desafios econômicos e ambientais. Garantir a igualdade de acesso a tecnologias é crucial para promover a informação e conhecimento para todos. O ODS 9 lista metas que visam à construção de estruturas modernas, fortalecimento industrial de forma eficiente, com valorização da micro e pequena empresa e inclusão dos mais vulneráveis aos sistemas financeiros e produtivos.

Indústria, Inovação e Infraestrutura - Foto: Luiz Gonçalves Martins - ODS 9
Ao final do evento, os participantes levaram brindes para casa com informações sobre os ODS. (Por Luiz Martins)

domingo, 29 de setembro de 2019

O Rio visto de diversos ângulos por Luiz Martins

No dia 14 de setembro de 2019, o INPASBRA - Instituto Impacto Social do Brasil, APEB - Aliança de Pastores Evangélicos do Brasil e JORNAL IMPACTO, concederam a "Moção de Aplausos e Reconhecimento" ao jornalista e fotógrafo Luiz Martins, pelos seus relevantes trabalhos na área da fotografia. 

Luiz Martins - Moção de Aplausos e Reconhecimento
Ao longo da vida profissional, Luiz Martins já atuou em diversas áreas, chegando a ser professor, projetista de sistemas elétricos, projetista de sistemas ferroviário e metroviário. Em suas atividades extras, Martins exerce ainda as funções de jornalista e fotógrafo.

 Exposição de fotos que foram destaques em diversos seguimentos
Como fotógrafo, Martins já recebeu diversos prêmios pelos seus trabalhos.

Premiado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD/ONU) em duas categorias, o fotógrafo e jornalista, Luiz Martins, registrou os diversos ângulos do Rio, onde mostra o contraste entre as edificações da cidade do Rio de Janeiro.

Prêmio PNUD (ONU). Considerado um dos maiores eventos organizados pela ONU, o Rio+20 ocorreu entre os dias 13 e 22 de junho de 2012 em diversas partes da cidade do Rio de Janeiro. Os principais temas abordados foram: desenvolvimento sustentável, economia verde, inclusão social e pobreza.    

O evento contou com a participação de mais de 180 países do mundo, integrantes da ONU (Organização das Nações Unidas), bem como da presença de Chefes de Estado, de Governo e ainda, dos principais organismos internacionais. Durante o evento, foram criados 17 projetos sobre o Desenvolvimento Sustentável.

Para estimular a divulgação e, por conseguinte, a implementação dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável no Brasil e no Mundo, o PNUD (ONU) lançou um concurso de fotografia para escolher 17 imagens que representasse a implementação dos 17 projetos, ou seja, cada imagem representa a implementação dos objetivos globais para colaborar com o desenvolvimento econômico, social, ambiental e institucional do país com foco na Agenda 2030.

Fotógrafos de vários estados brasileiros e estrangeiros participaram do concurso, os jurados só aceitariam fotografias inéditas, que não tivessem sido apresentadas em materiais de divulgação ou premiadas em outros concursos até a data da inscrição. As fotos foram selecionadas de acordo com critério de linguagem fotográfica, originalidade, criatividade, respeito aos direitos humanos e aderência aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Luiz Martins foi vencedor em duas categorias, ou seja, suas fotos estão representando dois projetos do PNUD (ONU) até o ano de 2030.


ODS 10 Redução das Desigualdades
São eles: ODS 9 (Indústria, inovação e infraestrutura) e ODS 10 (Redução das desigualdades).  


ODS 9 - Indústria, Inovação e Infaestrutura
Cobertura da Rio 2016. Representando o Jornal Impacto nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, Luiz Martins e Elias Ribeiro do Nascimento foram credenciados para a cobertura dos eventos. Na cobertura do legado olímpico, Martins teve suas fotos em destaque em diversos veículos de comunicação, entre eles, a Fotografe Melhor, a maior revista de fotografia da América Latina.


Cobertura das Olimpíadas Rio 2016
Museu do Amanhã. Suas fotos do Museu do Manhã foram destaque em diversos seguimentos. Uma delas foi apresentada no Leading Culture Destinations Awards, onde o referido museu recebeu o prêmio britânico considerado como o 'Oscar dos Museus'.


Destaque Olímpico Internacional
Negócios de Valor. Durante a cobertura dos legados olímpicos, Martins fez grande parte das fotos para produção do livro "Guia de Compras".

São negócios tradicionais há mais de 50 anos, que já estão na memória e no coração de quem circula pelas ruas do Centro do Rio de Janeiro e, agora, estão também no Guia de Compras em "Negócios de Valor" – Edição 2016, uma parceria entre a Prefeitura do Rio e o Sebrae/RJ.


Negócios Tradicionais há mais de 50 anos.
Existem missões que são extremamente sublimes e que merecem nossas considerações. Assim sendo, não poderíamos deixar de lhe prestar as nossas homenagens neste dia tão importante, disse o Jornalista Elias Ribeiro do Nascimento, pres. do INPASBRA.

A presente Moção é fruto do reconhecimento das instituições, dos jornalistas e professores, que indicaram Luiz Martins como merecedor desta homenagem. O objetivo é valorizar todo o empenho e dedicação deste profissional, na divulgação de imagens que retratam projetos relacionados às necessidades humanas, a saúde, a educação, a melhoria da qualidade de vida e a justiça para todos.

sexta-feira, 27 de setembro de 2019

Paraty em Foco 2019

O Festival Internacional de Fotografia Paraty em Foco comemorou em 2019 a sua 15ª edição e foi realizada entre os dias 18 a 22 de setembro. 

Exposição Paraty em Foco 2019 - Foto: Luiz Martins
O tema deste ano foi  "Migrações", uma das propostas para ressaltar o caráter miscigenado da fotografia brasileira, cuja a formação conta a participação de muitos imigrantes.

Exposição Paraty em Foco 2019 - Foto: Luiz Martins
A humanidade se torna cada vez mais nômade, pois  há cada vez mais pessoas tentadas ou forçadas a migrar. Efeitos de um mundo que se globalizou no terreno das financias e das comunicações, mas insiste em erguer muros e cercas entre pessoas e povos.

Exposição Paraty - Foto: Luiz Martins
Além das migrações internacionais, o Brasil sofre com as migrações internas, onde o deslocamento de pessoas dentro de um mesmo território cresce cada vez mais. Tal deslocamento não provoca modificações no número total de habitantes do país, porém, altera as regiões envolvidas nesse processo.

Praça da Igreja Santa Rita - Paraty - Foto: Luiz Martins
No Brasil, um dos fatores que influência nas migrações é o de ordem econômica, forçando indivíduos a se deslocarem de um lugar para outro em busca de melhores condições de vida e à procura de emprego para suprir suas necessidades básicas de sobrevivência.

Pescador de Siri - Paraty - Foto: Luiz Martins
Com isso, os centros urbanos ficam cada vez mais povoados de pessoas vindas dos interiores a procura de melhores condições de vida, que na realidade acabam somando aos desempregados e aos desabrigados.
(Por Luiz Martins)

quarta-feira, 28 de agosto de 2019

Histórias & Fotografias

Todo fotógrafo é um contador de história e cada foto é uma página escrita de um tempo. Os apaixonados por fotografias sabem muito bem que, cada vez mais, surgem novos admiradores desta arte. Prova disso é o crescimento de diversas páginas relacionadas ao assunto nas redes sociais.

Foto: Exposição "Do Filme ao Digital"
Hoje, o que mais há são fotógrafos de celulares, mas, se questionarmos o que tecnicamente a fotografia é, poucos saberão responder. Para os experientes profissionais, conhecedores da história da fotografia, um fotógrafo só pode ser considerado profissional se entender da velocidade do obturador, entender sobre ISO, diafragma, zoom, entre outros fatores, pois há anos e muito antes dos digitais, os fotógrafos não eram apenas um apertador de botão, mas criadores de imagens.

Exposição " Do Filme ao Digital"
E para relembrar um pouco desse tempo, o Santa Cruz Shopping, no bairro de Santa Cruz, na zona oeste do Rio, está com uma exposição do dia 18 a 31 de agosto, com o título: "Do Filme ao Digital". A exposição é dos profissionais Malu Ravagnani e HelcioPeynado. Na exposição os visitantes poderão ver 67 fotografias e algumas câmeras analógicas e digitais.

Foto: Exposição "Do Filme ao Digital"
Malu e Helcio contam que quando se descobriram apaixonados pela fotografia, começaram a adquirir em feiras e antiquários, câmeras fotográficas que marcaram época. Tão grande tornou a paixão pelas câmeras, que conhecidos alunos doavam as câmeras de suas famílias, que agora ficam expostas no Curso de Fotografia de Helcio, em Campo Grande, também zona oeste do Rio. O acervo conta com mais de 200 peças, sendo elas: acessórios, cases, caixas, manuais e até mesmo notas fiscais.

Palestras sobre Fotografias.

Ainda sobre fotografias, no dia 26 de agosto, fotógrafos da cidade carioca se reuniram no BURITI - Cebo Literário, na Rua do Carmo, 09, sala 902, centro do Rio de Janeiro. Com o tema "A Contemporaneidade Fotográfica", a iniciativa da palestra no Buriti Sebo Literário, foi de Márcia Costa, diretora do Curso Grande Angular. Márcia, também foi a responsável pela exposição fotográfica, que mostrou um belo  acervo fotográfico. Além da palestra do dia 26, houve também no mesmo local, palestras nos dias 16 e 19 de agosto, com Márcia Costa, Leo Mano e o fotógrafo Fábio Giorgi. O Jornalista e fotógrafo, Luiz Martins do Jornal Impacto, falou sobre suas fotos vencedoras do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Foto: Luiz Martins
A fotografia, como forma de arte e expressão, sofreu muitas mudanças ao longo dos anos. Os avanços tecnológicos foram responsáveis pela transformação radical de como enxergamos a fotografia no mundo atual. Dos filmes e revelações complexas, passamos para as câmeras digitais e smartphones, com uso de cartões com grande capacidade de armazenamento de imagens.

Foto: Luiz Martins - Encontro de Fotógrafos
Mesmo com toda tecnologia e modernidade, a fotografia em preto e branco continua em moda. Esse tipo de fotografia ainda é amplamente utilizado, pelos profissionais e em documentários. A fotografia em preto e branco nunca deixou de ser popular. O motivo da popularidade do formato são as possibilidades de expressões. A foto em P&B é uma forma de arte. Assim como um artista que pinta um quadro, um fotógrafo utiliza paletas de cores, filtros e iluminação específicos para transmitir sentimentos, impressões e sensações. 

Theatro Municipal (RJ) - Foto: Luiz Martins
E as fotos em preto e branco são capazes de criar imagens mais dramáticas até as mais delicadas. Tudo depende do seu modelo ou motivo, do contraste ao enquadramento. O preto e branco oferece mais emoções ao observador e com expressões mais fortes. Acreditamos que são por estas razões que o preto e branco continua sendo uma das fotos preferidas dos grandes profissionais.

A fotografia já provou ser um dos maiores e mais importantes inventos da história, dando todos a oportunidade de recordar os acontecimentos e os melhores momentos da vida. Mais que isso, a fotografia demonstra ser um forte aliado no desenvolvimento humano.

terça-feira, 20 de agosto de 2019

Bienal do Livro 2019

A Bienal do Livro Rio é o maior evento literário do país, um grande encontro que tem o livro como astro principal. Para o leitor, é a oportunidade de aproximação dos seus autores favoritos e de conhecer muitos outros. 

Durante dez dias (de 30/08 à 08/09), o Riocentro sediará a festa da cultura, da literatura e da educação. Nos espaços dedicados às atrações, o público poderá participar de debates, bate-papos com personalidades e escritores, além das atividades culturais que promovem a leitura.

O evento, que acontece há 38 anos, é o palco ideal para você curtir com os amigos, participar de bate-papos importantes, ganhar autógrafos, conhecer de perto seus autores favoritos, trazer os pequenos para as atividades infantis e muito mais.

Dicas do Impacto e da Literaturarte:

Andar Invisível - O livro, que já é sucesso de vendas nas principais livrarias, é uma obra de ficção de cento e noventa páginas, e aborda o lado oculto que as pessoas tentam esconder da sociedade, bem como traições, intrigas, negociatas, amores proibidos, condenáveis práticas comuns que permeiam a vida em sociedade.

Escritor Robson Machado, com o diretor do Impacto Luiz Martins no lançamento de seu livro 
Mas tudo o que as pessoas que se entregam a tais práticas não querem é que suas mazelas morais sejam reveladas. Foi exatamente para atender a esse propósito que foi criado “O andar invisível”. Um lugar destinado a manter ocultas as ações censuráveis que seus autores não desejam revelar. Se um segredo em hipótese alguma pode ser descoberto, somente um lugar é capaz de garantir esse sigilo: “O andar invisível”.


O livro é um romance, com uma trama recheada de práticas do cotidiano das grandes metrópoles, como o Rio de Janeiro, cidade onde a história é ambientada. No dia 07 de setembro às 18:00h, o jornalista e escritor Robson Machado estará autografando o seu livro “O andar Invisível”.

O Diário de Márcia Garcês - O Diário de Márcia Garcês descreve um excepcional exemplo de superação de desafios.

O livro de Márcia é um documentário impressionante sobre superação 
Tanto os desafios emotivos quanto os de natureza prática, como é o caso das dificuldades enfrentadas por pessoas com necessidades especiais em lugares não preparados para recebê-las. A acessibilidade é uma condição básica para a inclusão social das pessoas portadoras de deficiência ou que tenham necessidades especiais. É ela que garante a qualidade de vida e, apesar de haver leis vigentes, na maioria das vezes, não são cumpridas. São poucos os que possuem consciência das necessidades básicas daqueles que, por algum motivo, não fazem parte do grupo dito “pessoas normais”. Ao contrário do que muitos acham, esta é uma grande parcela da população que mantém uma vida normal, namoram, trabalham, frequentam restaurantes, teatros, cinemas, estádios de esportes, hotéis e, infelizmente, são poucos os lugares acessíveis. 

As pessoas com algum tipo de deficiência lutam pelo seu lugar junto à sociedade e querem a garantia de acessibilidade pública, o que é um direito de todos. Dessa luta veio a inspiração para escrever este livro, que é repleto de casos curiosos, alguns engraçados, outros tristes. Uma obra para mostrar que, através da coragem e determinação, os milagres acontecem.
(Por Luiz Martins)

domingo, 11 de agosto de 2019

Katrium de Portas Abertas


A empresa KATRIUM  INDUSTRIAS  QUÍMICAS  S.A, implantada na região de Honório Gurgel desde 1940, faz parte da vida do moradores de Honório e mantêm  um estreito  relacionamento com a comunidade local.

A KATRIUM é uma das maiores empresas fabricantes de cloros do Brasil, e fornece o produto para a Companhia Estadual de Águas e Esgotos (CEDAE), responsável pelo tratamento e distribuição de águas do Estado do Rio de Janeiro. Saiba mais aqui:


sexta-feira, 9 de agosto de 2019

A Arte de fazer Artes

Artesãs transformam peças de MDF em belíssimas obras de artes.

Pintura feita em MDF
Roberta, Renata e Cláudia Asicq, produzem em conjunto as peças totalmente manuais, que chamam atenção pela beleza.

Localizado na Rua Santa Cecília, 1149, Bangu (RJ),  funcionam uma Loja "As Marronzinhas" (21 990168952) e um Ateliê "Asicq Artes" (21 983436323), onde são produzidas os trabalhos das Artesãs.

Rua Santa Cecília, 1149 - Bangu (RJ)
Há dois anos no local, além das obras belíssimas que elas produzem, elas também dão aulas de artesanato, arte decorativa e vendem tudo de artesanato para MDF, gesso, tecido entre outros. Fazem pintura em tecido, gesso, vidro, MDF e outras superfícies.

Além das artes, elas também vendem MDF e materiais para pintura.
Em entrevista ao Jornal Impacto, Cláudia disse que desenvolve um trabalho diferenciado com a ajuda das amigas, pois trabalham com artesanatos e produzem em conjunto as peças totalmente manuais. São trabalhos feitos em MDF, que chamam atenção pela riqueza de detalhes.

Cláudia Asicq - Artesã 
A riqueza cultural está presente nos mais diversos tipos de manifestações artísticas. O artesanato é um dos mais antigos e representa a relação do ser humano com sua história e tradição. Através das mãos dos nossos artesãos, simples matérias primas e grandes ideias se transformam em verdadeiras obras de arte. Uma técnica manual utilizada para produzir objetos feitos a partir de matéria-prima natural. Normalmente, os artesanatos são fabricados em pequenas oficinas e ateliês. Essa técnica é praticada desde o período antigo, denominado Neolítico, quando poliam pedras para fabricar armas e objetos de caça e pesca, cerâmica para guardar alimentos e tecelagem para fabricar redes, roupas e colchas.

O artesanato é reconhecido em áreas como a de bijuterias, bordados, cerâmica, vidro, gesso, mosaicos, pinturas, velas, sabonetes, saches, caixas variadas, reciclagem, patchwork, metais, brinquedos, arranjos, apliques, além de várias técnicas distintas utilizadas para a fabricação de peças. Hoje, também se usa o MDF como principal material artesanal.
(Por Luiz Martins).

domingo, 4 de agosto de 2019

A importância de um curso profissionalizante

Com a disputa por uma vaga de emprego, quem tem um curso profissionalizante sai na frente.

A procura por um curso profissionalizante cresce cada vez mais no Brasil, frutos de grandes iniciativas de algumas instituições. O curso profissionalizante valoriza o profissional e a empresa. No entanto, muitos gestores ainda desconhecem os benefícios que esse modelo de curso proporciona aos profissionais, para empresas e para a sociedade. 

Há muitos anos, que o Jornal Impacto e o INPASBRA, dedicam-se às suas atividades por meio de execução direta de projetos e programas ou planos de ações, que visam melhores condições de trabalho e de vida dos cidadãos.

Formandos no curso de capelania
Consideramos os cursos profissionalizantes como de grande importância para a sociedade, não só pela formação dos indivíduos que atuam nas empresas, mas também pela inclusão daqueles que estão fora do processo produtivo do sistema social, ou seja, pessoas desempregadas que não tem acesso a saúde, lazer e outros componentes da cidadania. O aprendizado deve ser um dos principais meios para inclusão social, que é a inserção dos indivíduos no contexto social.

Os cursos técnicos buscam suprir uma demanda por mão de obra qualificada e certificada, uma vez que as instituições hoje trabalham respeitando normas, que requerem métodos e trabalhadores com certificados profissionais.

Em parceria com a empresa MAC MÁQUINAS, O
Jornal Impacto e o INPASBRA, no dia 25 de julho de 2019, foram entregues os certificados dos alunos que concluíram o curso de OPERADOR DE EMPILHADEIRA. Ministrado pela Instrutora Jacqueline, o curso é reconhecido pelo MEC e tem o apoio da Secretaria de Esporte e Lazer. Foi realizado na Casa da Benção, localizada na rua Ururai, Honório Gurgel, Rio de Janeiro - RJ.

Entrega de Certificados do Curso OPERADOR DE EMPILHADEIRA
O evento contou com as presenças do Bispo Elias Ribeiro (diretor pres. do Jornal Impacto), Pastor Eliseu (representante da empresa MAC MÁQUINAS) e da Pastora Silva (representante da Casa da Benção).

Para as Instituições envolvidas, significa um desafio em que se aponta para o futuro com suas propostas, onde os cursos se fazem presentes na vida dos trabalhadores. A utilização das tecnologias com sua dimensão interativa mostra que os profissionais têm que se adequarem aos novos tempos. E, para que a nossa missão seja alcançada plenamente, compartilhe esta ideia.
(Por Luiz Martins).

sexta-feira, 26 de julho de 2019

Hacker ou Programador mal-intencionado?

Embora a palavra hacker seja associada a um criminoso virtual, o hacker nada mais é do que um programador da computação com habilidades de acesso a sistemas desenvolvidos por outro programador.

Evolução dos computadores ao longo dos anos
Antigamente, as empresas de engenharia tinham profissionais programadores em seus quadros, mas todas elas usavam canais privados. Os profissionais assinavam um termo de compromisso de não fornecer dados para outras empresas. Existia um cofre chamado arquivo de dados permanentes, onde ficavam os programas desenvolvidos, sempre guardados a sete chaves. Mesmo assim, as empresas usavam seus profissionais, que passavam um longo tempo tentando decifrar programas desenvolvidos pelas concorrentes. 

Naquela época, não havia desemprego e todos os profissionais ganhavam bem e eram reconhecidos pelos seus trabalhos. Alguns ganhavam até certificação pelos trabalhos desenvolvidos.

Os programas eram desenvolvidos por técnicos especializados, e os chefes não se envolviam e pouco conheciam do assunto. Aliás, quando a crise chegou na engenharia, houve uma inversão de valores: Muitos chefes foram pra rua, enquanto os técnicos ficaram por necessidade de seus trabalhos.

Os tempos mudaram e, hoje, os canais não são privados e não existem empregos para a maioria dos programadores. Um programador de computação se torna um hacker ao descobrir algo especial em um sistema qualquer que antes não parecia possível.

Tudo de bom que existe hoje em dia no computador foi criado por um programador e aprimorado por outro. Como no caso do Word, Excel, Corel, Photoshop, navegadores, etc. Tudo o que você vê nas telas dos computadores, celulares e todos equipamentos de acesso à internet, foi criado por um ou uma equipe de programadores da computação.

Os programadores são os responsáveis pelo aprimoramento no uso dos softwares e hardwares. Como uma nova forma de editar, formatar trabalhos, navegar na internet, entre outras, são especialidades que antes não existiam e foram descobertas ou criadas por especialistas. Um especialista não é necessariamente um criminoso, mas um profissional com experiência de programação fora do comum, que pode tanto criar programas comerciais com alto valor agregado como descobrir uma brecha de segurança em outros programas construídos, sendo mais importante a índole da pessoa do que a sua habilidade técnica.

A habilidade de programação independe da formação do indivíduo. Tem muitos programadores com vasto conhecimento em áreas da informática que não fizeram faculdade. Engenheiros, marceneiros, mecânicos, entre outras profissões, podem descobrir maneiras fora do comum em um determinado sistema de computador, que dependendo de sua atuação, pode ser considerado um hacker.

Spoofing.

A palavra "Spoofing" nunca esteve tão em evidência no noticiário brasileiro. E é o termo com origem na palavra em inglês "spoof", que significa "enganar", "fingir" ou "imitar". É uma falsificação tecnológica, com objetivos de burlar uma rede ou uma pessoa, fazendo com que o indivíduo que está no controle possa enviar e-mails, mensagens, ligações telefônicas, SMS, utilizando o número de outra pessoa, para invadir e obter dados ilegais.

Para fazer spoofing, geralmente, os hackers utilizam de "IP" (Identificador de conexão) e "DNS" (Descodificador de endereço). Um exemplo disso, você fornece um nome, o DNS fornece um número. O nome, neste caso, é especificamente um nome de host e o número é um endereço de IP. Sem o DNS, você teria que lembrar de cada endereço de IP de cada site que você deseja visitar. Usando desses artifícios, os hackers assumem o controle das máquinas para fazer com que os usuários "acessem" sites fraudulentos e distribuam mensagens em aplicativos como Telegram, WhatsApp, etc. E por que isso ocorre? Porque, cada vez mais, as empresas operadoras querem facilitar a vida dos usuários e acabam dando margem a esse tipo de invasão.
(Por Luiz Martins)

domingo, 7 de julho de 2019

Muito além da palhaçada

Profissionais na arte de fazer rir, a "Trupe Atrupalhados" é um grupo de pessoas que se vestem de palhaços buscando trazer alegrias a pacientes de hospitais e clínicas.

Ensaio do grupo "Trupe Atrupalhados"
Com a intenção de amenizar o cotidiano dos pacientes e deixar o ambiente mais acolhedor, os terapeutas do riso marcam presença nos hospitais, com muita criatividade e emoção, na tentativa de espalhar o trabalho filantrópico por todos os estados do país.


Acompanhando o ensaio do grupo em uma praça no bairro Leopoldina, em Bangu, zona oeste do Rio, o Jornal Impacto entrevistou Cláudia que, representando o grupo, disse que o foco é levar sorrisos ao ambiente hospitalar, atuando também em casas de saúde e maternidades.

Utilizando da figura do palhaço para levar sorrisos, propondo a humanização do ambiente hospitalar, a Trupe Atrupalhados tem como desafio criar uma atmosfera mais leve, alegre e descontraída para pacientes, familiares e profissionais da área de saúde, através de diversas atividades lúdicas.

O Jornal Impacto apoia e parabeniza a ideia da Trupe Atrupalhados e acredita que a empatia é o caminho para um mundo melhor.

(Por Luiz Martins)
Postagens mais antigas Página inicial
Copyright © JORNAL IMPACTO | Suporte: Mais Template